segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Mesas de RPG de uma empresa gringa


Recentemente encontrei um site gringo especializado na fabricação de peças em madeira para RPG, boardgames e cardgames.

A geekchichq possui vários tipos de materiais, como torres de dados, cases para decks, mas certamente a cereja do bolo são as mesas para jogos -game room tables, para RPG, boardgames e similares.

No site é possível encontrar fotos detalhando os diversos modelos - como a luxuosa Sultan -, e até vídeos de eventos, mostrando os diferenciais de alguns modelos, como bases removíveis para colocar fichas ou livros, gavetas discretas para guardas qualquer quinquilharia, e suporte para copos.

Confira abaixo algumas fotos dessas mesas que certamente são o sonho de consumo de qualquer grupo.













/MatheusJack

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

7 ideias básicas de tavernas



Tavernas interessantes são uma das partes legais de jogos de fantasia medieval.

Porém, muitas vezes os mestres não têm tempo de preparar detalhadamente uma taverna para usar em jogo, ou pior, falta aquela ideia inicial para desenvolver um estabelecimento.

Assim, segue abaixo uma lista de 7 ideias básicas de tavernas que criei para meus jogos, e podem servir para que outros mestres improvisem rapidamente, ou as usem como ponto de partida para criar uma taverna ainda mais detalhada 


 1 - Caneco Furado: esse grande estabelecimento é composto de 3 andares, e garçonetes e garçons passam as noites subindo e descendo as escadarias de madeira par servir todos os clientes.
            Também é conhecida por ter bardos ou grupos musicais tocando na rua, em frente à entrada da taverna, para chamar clientes.

2 - De Proa à Popa: esta exótica taverna foi construída abaixo da estrutura invertida de um navio.
O teto é o antigo casco do navio, e os mastros agora servem de colunas para sustentar a estrutura.
            Frequentada por mercenários, é ponto de encontro para negociações e acordos, sendo comuns contratos de contratação serem assinadas no local.
            A taverneira é Neden, que assumiu o estabelecimento depois que seu esposo, o antigo proprietário, faleceu. Neden é conhecida como “sereia”, e quando questionada sobre a origem da taverna, conta que o marido ganhou a embarcação em um jogo de cartas, mas o perdedor, indignado, avariou o casco e inutilizou o navio. Sem poder navegar, o navio foi levado para dentro da cidade, e usado para fundar a taverna.
3 – Descanso dos Fortes: apreciada por militares e guerreiros, esta taverna possui todo tipo de bebida forte, além da tradicional cerveja. Pelas paredes escudos e armas enferrujadas decoram o local que o taverneiro Belgrano criou para ser “para obrigatória para o lazer de homens de armas”.
            Bardos e músicos no local geralmente tocam canções de guerra ou marchas, não raramente acompanhados pelo coro dos bêbados presentes.
           
4 – Garrafão de Lokken: o deus dos mares, Lokken, o Navegador, é o homenageado desta taverna localizado na região do cais de uma das grandes cidades portuárias.
            O taverneiro Gallor atende os marinheiros com simpatia, mas piratas costumam ser enxotados do local, salvo aqueles mais apresentáveis, educados, ou temidos, que são tolerados.
Gallor possui uma garrafa escondida que guardas moedas de ouro. São suas economias ao longo de anos, e pretende dá-la para sua filha, Bess não precise mais trabalhar como garçonete, e possa seguir o sonho de ser atriz.

 5 – Gole Derradeiro: esta respeitável taverna é frequentadas por mercadores ricos e eventualmente até membros da nobreza do reino de Leokhal. O Príncipe Garten Foster, conhecido boêmio, é um frequentador assíduo – tendo, inclusive, emprestado dinheiro ao taverneiro Ignaz para custear uma recente reforma no local, que o deixou ainda mais apresentável.
            Ignaz diz aos quatro ventos que em todo reino, sua taverna é a com maior variedade de bebidas, podendo-se encontrar até a cerveja vermelha eldoran, o caro vinho rouzenni, e mesmo a forte abercan.

6 – Bela Âncora: famosa na cidade de Lórren, esta taverna é ponto de encontra da boemia da cidade, como escritores, pintores, bardos e aventureiros.
            Vários tipos de jogos de cartas são jogados nas mesas do Bela Âncora, e o taverneiro Balthius Barril apenas cobra uma pequena taxa para aqueles que querem apresentar jogos novos. Algumas vezes ele também ganha algumas moedas para guardar o dinheiro dos apostadores enquanto disputas são feitas – de cartas, ou duelos armados.
            Balthius também é conhecido por pagar gostar de apostas. Uma delas ocorreu quando duvidou da fidelidade de seu amigo mulherengo, Damian. Todo ano, na noite de aniversário de casamento desse amigo, Balthius paga uma rodada grátis de bebida para todos os presentes, e assim seguirá enquanto Damian não desistir do casamento.

7 – Gambá Boêmio: conhecida por ter um gambá empalhado no balcão, esta taverna possui mesas formadas por rodas de carruagem penduradas em correntes.
            Os frequentadores vão de bêbados corriqueiros a membros da milícia, além de aventureiros, músicos, e eventualmente alguns criminosos ou viajantes.
            O taverneiro Grantor é conhecido na cidade por sua simpatia, e alguns já falaram até que ele devia se tornar o prefeito – o que ele dispensa amigavelmente, até por saber que o Barão local não gostaria de tirar seu filho do cargo de prefeito.
            Grantor só não gosta de brigas em sua taverna. E por “não gostar” quer dizer aproveitar seu tamanho e peso e apartar brigas usando seu porrete – conhecido carinhosamente como “pau de bater no Cosme”, pois antigamente havia um bebum com esse nome, que recorrentemente arranjava brigas e era alvo do porrete.

Fontes das imagens:
http://www.rpgbooster.com/wp-content/uploads/2013/02/Random-Generator-Tavern_by_jjnaas.jpg

http://orig15.deviantart.net/e698/f/2011/048/7/d/7d432764399c8d1359ee5326fdac1537-d39rayp.jpg

https://art.alphacoders.com/by_sub_category/221597

http://www.latourdebeasbl.net/t3214-du-sang-pour-le-calice-background


/MatheusJack

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

No clima de Halloween: A Dama da Beleza Oculta



Não se sabe a origem dessa lenda, até pelas variações existentes. Para alguns, a dama seria uma fada, enquanto outros afirmam ser um tipo de bruxa, demônio, ou mesmo a encarnação de alguma divindade.



            De qualquer forma, o curioso é que muitos povos relatam sobre uma dama que seria incrivelmente bela, mais do que qualquer um conseguiria imaginar. Olhar para ela faria qualquer indivíduo (homem ou mulher), ficar tão fascinado a ponto de permanecer imóvel até que ela se vá. Outros afirmam que alguém assim fascinado sequer a deixaria ir embora, seguindo-a tanto quanto possível, e há relatos mais sinistros sobre indivíduos que teriam tirado a própria vida quando não conseguiram segui-la.




Para uns é uma única pessoa, enquanto para outros é uma raça inteira, como as sereias que podem todas elas hipnotizar com seu canto.

            O único ponto em comum sobre a lenda da Dama da Beleza Oculta, é que ela é sempre representada como uma mulher de costas. Sejam pinturas ceffas, estátuas galantes, rabiscos de artistas variados, nunca é representada de frente, como se os artistas julgassem ser impossível representar tamanha beleza. No caso das estátuas, o rosto costuma estar coberto por cabelos ou pelas mãos, mas a parte do rosto é visivelmente inacabada, feita mesmo para ser vista pelo outro lado.




            Recentemente um jornal noticiou sobre uma dessas pinturas que foi retirada de uma exposição por problemas com o público. Na hora de fechamento da exposição, sempre havia uma ou outra pessoa estática em frente ao quadro, tão concentrada que parecia estar esperando a dama do quadro se virar. Abordadas, essas pessoas sempre ficam histéricas, ou violentas, não desejando sair de frente do quadro.

Em um manicômio há um interno conhecido por tem surtos no qual ri, alegre e feliz, dizendo que viu a maior das belezas, e que “ela virou, ela virou para mim, e eu vi!”. Esses relatos seriam sobre a Dama da Beleza Oculta.








/MatheusJack

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Jogos e Brincadeiras de Tavernas #3 – Jogo da Forca


Detestado por bárbaros iletrados, mas apreciado por quase todos os demais aventureiros quando em tavernas, o Jogo da Forca mistura conhecimentos gerais, com desafio para ver quem pagará bebida a outros.
 



Uma pessoa decide ser o Corajoso, que vai pensar em uma palavra e jogar contra todo as pessoas que estiverem na mesa.

O Corajoso pensa em uma palavra, e escreve tracinhos representando a quantidade de letras dessa palavra.

O jogo segue no sentido da direita do Corajoso, e o primeiro participante dirá uma letra que imagina existir na palavra. Se a letra existir, o Corajoso marca as letras nas respectivas posições, sobre os tracinhos, e coloca uma moeda de prata na mesa. Se a letra não existir nessa palavra, é desenhado uma parte do corpo de um boneco representando o enforcado (o Corajoso).

A próxima pessoa à direita segue o procedimento.

Para o Corajoso ser derrotado, é preciso completar a palavra, então todas as moedas que ele pegou serão usadas para comprar bebidas para o grupo vencedor do jogo. Se o boneco for enforcado (desenho ser completado), o Corajoso venceu, e cada um do grupo pagará uma caneca de bebida a ele.



O TIRO NO ESCURO
Uma variação do jogo propõe que cada pessoa tem direito a tentar adivinhar a palavra, mesmo que ainda faltem letras para completa-la. Nessa regra, cada participante sempre tem o direito de trocar uma sugestão de letra, por adivinhar a palavra pensada pelo Corajoso.

Se uma pessoa tenta adivinhar e acertar (independente de quantas letras já existam, podendo o primeiro já tentar acertar mesmo com os tracinhos ainda em branco), ela vence o jogo sozinha, e cada participante paga uma bebida a ela (como se ela tivesse sido o Corajoso e vencido). Contudo, se a pessoa erra, está fora do jogo imediatamente, e coloca uma moeda de prata na mesa, além de, caso o grupo não vence o Corajoso, também ter que pagar bebida a ele.

Com essa regra, alguns indivíduos com sorte chutam palavras mesmo sem ter noção ainda de qual seriam, mas caso não adivinhem (o famoso “tiro no escuro”), torcem para ao menos o grupo vencer o corajoso (livrando esse atirador no escuro de ter que pagar mais bebidas).


 
VARIAÇÃO: CORAJOSO, MAS ENFORCADO
Outra variação de jogo estipula que se um Corajoso perder, ele ficará enforcado essa noite, não podendo se envolver amorosa ou carnalmente com ninguém nesta noite (o que é ótimo para bardos mulherengos, ou uma femme fatale).

 
CONSIDERAÇÕES

Para grupos muito grandes, sugere-se que o Corajoso sempre pense em palavras longas, para que o jogo não acabe rápido (uma pessoa tenta uma letra, e antes que chegue novamente nela, o boneco foi desenhado (enforcado), ou a palavra adivinhada).

Outra opção é escolher temas nos quais a palavra deve ser escolhida. Então o grupo decide que a palavra tem que ser uma arma, e o Corajoso pode pensar em florete, alabarda ou mesmo armas exóticas como bec de corbin. O Mestre pode exigir testes de perícias relacionadas a armas (como Forja, Ofícios, ou mesmo Guerra ou Militar) para facilitar a jogadores que não estejam familiarizados com armas diferentes.


 Outro tema interessante seriam monstros, e novamente testes poderiam facilitar para descobrir a escrita de monstros exóticos ou diferentes.

Por fim, o grupo também pode decidir de antemão em qual idioma a palavra pode ser escolhida, o que pode ter impacto em on (como palavras em élfico, anão ou dracônico), ou off (um jogador podendo escolher palavras em inglês, por exemplo).


REFERÊNCIAS
http://kronikak.hu/wp-content/uploads/2016/07/t1.jpg